Em pouco tempo, o técnico Mano Menezes arrumou a casa e deu uma nova cara ao Cruzeiro. Embora o treinador adote o discurso de que o G-4 é uma realidade distante, nas entrelinhas, ele mantém a esperança de colocar a Raposa na Libertadores em 2016. Ao mesmo tempo, o comandante já traça o caminho a ser seguido na próxima temporada.

Dentro desse planejamento, o atacante Alisson e o zagueiro Dedé são tratados como peças fundamentais. Enquanto o primeiro já trabalha com os demais companheiros visando à partida decisiva contra o Sport, neste domingo, o segundo voltou aos treinamentos com bola nessa quarta (11), depois de um ano parado.

Dedé ainda não sabe se poderá voltar ao time na atual temporada, mas a presença nos treinos anima a comissão técnica para poder contar com o xerifão pronto em 2016.

“Foi uma surpresa estar no trabalho tático. Eu não forço nada, se me falarem para não ir, eu não vou. Desde semana passada, já programava voltar, e me falaram que poderia ser na quinta-feira”, explicou Dedé, que ainda fez um balanço do período em que ficou no departamento médico.

“Foi um ano de muito aprendizado, força de vontade. Momentos de fisioterapia, trabalho no campo. Isso mexe com a cabeça, com a confiança. Finalmente, tive a oportunidade de voltar a treinar com o grupo. É uma satisfação muito grande. Vocês não têm noção da minha felicidade, da minha alegria”, revelou.

Retorno rápido

Considerado um dos principais nomes da equipe estrelada, Alisson se recuperou de uma cirurgia no joelho direito. A volta aos campos ainda em 2015 sequer era cogitada pelo clube, mas a rápida recuperação já faz com que o técnico Mano Menezes trace planos para o jovem de 21 anos.

Com Arrascaeta convocado para a Seleção Uruguaia, Alisson pode ser uma das novidades já na partida contra o Sport. A possibilidade da reestreia entre os titulares, no entanto, ainda é remota.

Mas o simples fato de ser relacionado é um orgulho para o jovem, que também conviveu com vários problemas na coxa direita.

“Estou feliz de ter voltado. Muitos disseram que este ano não daria mais para mim. Estava sentindo essa lesão no joelho há mais tempo, fui para a seleção com dor, foi uma lesão inesperada, mas fico feliz de não ter sido uma contusão na coxa”, falou o atacante.

“Deixo na mão da preparação física e do Mano. Se eles acharem que estou pronto, vou ficar muito feliz só de ficar concentrado com o grupo”, concluiu.