O jornal Correio Braziliense divulgou nesta sexta-feira (25) o bloqueio fiscal ao qual Neymar, atacante do Barcelona, foi submetido. O desembargador Carlos Muta, do Tribunal Regional Federal (TRF) determinou o bloqueio de R$ 188,8 milhões do craque, que é acusado pela Receita Federal de sonegação fiscal entre 2011 e 2013, período que culmina com a transferência para o Barcelona – investigada também pela Justiça espanhola.

Conforme a publicação, a assessoria de imprensa do jogador informou que vai esperar uma decisão mais assertiva da Justiça para se pronunciar sobre o caso. Se confirmado, o jogador será protagonista em processos legais em duas frentes, tanto na Espanha quanto no Brasil.

Bloqueio

O desabargador determinou o  bloqueio receoso de que aconteça a dilapidação do patrimônio pelo atleta, e a consequente lesão dos cofres públicos. Segundo a decisão, além dos bens de Neymar, seu pai e as três empresas da família – Neymar Sport e Marketing;N Consultoria Esportiva e Empresarial e a N Administração de Bens Participações e Investimentos - também tiveram os lucros congelados.

O valor estratosférico de R$ 188,8 milhões corresponde a uma multa de 150% sobre o valor original que, segundo a receita, o  jogador sonegou – R$ 63,5 mi, cerca de 30% do patrimônio do “grupo Neymar”, calculado em R$ 244 milhões.

O lucro que o craque vem tendo em sua segunda temporada de Barcelona também mereceu observações por parte do desembargador. Segundo ele, a
 declaração dos ganhos do atacante brasileiro foi feita de forma errônea, já que coloca o rendimento como próprio das empresas do jogador e não de sua pessoa física, o que o isenta de uma série de impostos com o fisco espanhol. Recentemente, Mascherano e Xabi Alonso foram acusados de evadir divisas fiscais para sonegar impostos.