Um dia após a prisão de José Maria Marin em Zurique, na Suíça, a CBF retirou da fachada da sua sede o nome do seu ex-presidente, no início da manhã desta quinta-feira (28). Marin dava o nome ao prédio inaugurado por ele mesmo, no ano passado, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Agora o edifício ostenta apenas o logo da CBF.

Foi o próprio presidente Marco Polo del Nero quem autorizou a medida, após reunião de seus pares no Brasil. Del Nero está na Suíça, mas vem acompanhando as ações no Brasil. Na noite de quarta, poucas horas após a prisão de Marin, a CBF anunciou o afastamento do ex-mandatário de suas funções na entidade. Ele era vice-presidente desde o dia 16 de abril, quando Del Nero assumiu a presidência.

As duas medidas indicam a preocupação dos dirigentes do futebol brasileiro com os desdobramentos das investigações na Fifa. De acordo com a CBF, o afastamento de Marin será mantido "até a definitiva conclusão do processo".

Marin foi preso em Zurique por autoridades dos Estados Unidos, que acusam o ex-presidente da CBF de receber propinas milionárias nas negociações dos contratos comerciais da Copa do Brasil. Além de corrupção, Marin é acusado de "conspiração" e pode ser extraditado aos Estados Unidos.

Após a detenção de Marin, o ex-jogador Alex, do Palmeiras, e um dos membros do Bom Senso FC, criticou a CBF nas redes sociais: "Façam as mudanças necessárias e comecem pelo simples. O prédio da linda sede da CBF no Rio de Janeiro se chamar JOSÉ MARIA MARIN é piada de péssimo gosto. Façam homenagem a quem fez algo pelo nosso futebol, por favor", afirmou o ex-atleta.