O ponta-esquerda Paulo César Caju, reserva na Copa de 1970 e titular na de 1974, revelou a um canal de televisão que vendeu a medalha de ouro conquistada no Mundial do México para comprar cocaína. Ele disse que também vendeu uma miniatura do troféu Jules Rimet para financiar o vício.

Segundo o site ESPN, ele afirmou que "necessitava da droga. Você perde a noção total do que está fazendo. Você não tem equilíbrio". A frase foi gravada pela Globonews, que exibirá entrevista com o ex-jogador. No programa, Caju disse também que vendeu três apartamentos para comprar droga.

Mas o carioca, que foi ídolo do Botafogo e do Grêmio, afirma que a fase ruim já passou e que há 15 anos está limpo, até mesmo sem consumir álcool. Ele encerrou a carreira em 1983 e, no Brasil, também defendeu as camisas de Corinthians, Flamengo, Fluminense e Vasco. Fora do país, jogou no Olympique de Marselha e no AS Aix, na França, e no California Surf, dos Estados Unidos.

Em uma entrevista no final da década de 1970 ele disse que só ganhou dinheiro mesmo na Europa. “Sempre troquei de time por interesses profissionais. Contrato excepcional mesmo só fiz com o Olympique. Os outros foram apenas bons”.

Pela Seleção Brasileira disputou 57 jogos e marcou 10 gols.