O duelo entre Caldense e Tombense, pelas semifinais do Campeonato Mineiro, terá a disputa entre os jovens técnicos Léo Condé, de 36 anos, e Junior Lopes, de 41, como um dos principais ingredientes. A partida de ida está marcada para as 16h deste sábado, em Tombos.

Pela primeira fase do Estadual, Condé e Lopes já haviam se encontrado no estádio Ronaldão, em Poços de Caldas, e a partida, válida pela terceira rodada, ficou empatada em 1 a 1.

Entretanto, o caminho dos dois treinadores da nova geração começaram a se cruzar ainda na temporada passada, quando o primeiro comandava o Tupi, e o outro, o Macaé (RJ).

Em dois encontros pela Série C do Campeonato Brasileiro, o atual treinador da Caldense levou a melhor, vencendo o adversário por 2 a 0 na condição de visitante e empatando em território mineiro por 1 a 1.

“O Junior é um cara bacana, profissional, sério, e que vem fazendo um belo trabalho no Tombense”, comenta Condé.

Inspiração no DNA

Filho do ex-técnico Antônio Lopes, Junior é carioca e começou a carreira como auxiliar em clubes como Flamengo, Vasco, Coritiba e Atlético-PR. E não esconde que tem no pai a grande referência para se destacar na profissão.

“Ele (Antônio Lopes) é a maior escola que tive na vida”, reconhece o treinador, que também faz questão de destacar a amizade com Vanderlei Luxemburgo, atual técnico do rubro-negro carioca, com quem trabalhou por quatro anos.

Jeito Mineiro

Se Junior se espelha no pai e acumula bagagem importante de clubes grandes, Condé se respalda nos bons trabalhos feitos em Minas Gerais. Em 2009 e 2010, por exemplo, já havia classificado o Tupi para a segunda fase do Estadual.

Nascido em Piau, na Zona da Mata mineira, o treinador da Caldense afirma conhecer os “atalhos” do Estadual, mas deixa claro que, no mata-mata, as forças se igualam. “Levo uma certa vantagem na primeira fase por conhecer a logística de viagens, campos e características das equipes”, avalia Condé. “Agora, serão dois jogos distintos, que serão decididos em detalhes”, conclui.

E é pensando nestes detalhes citados por Condé que o Tombense aposta no trabalho especializado do analista de desempenho João Felipe Boaventura, responsável por estudar e conhecer a fundo o adversário de Poços de Caldas.