Numa rodada em que cinco dos sete primeiros colocados venceram, a derrota do Atlético por 1 a 0, para o Atlético-PR, nesse domingo (2) à noite, na Arena da Baixada, em Curitiba, tirou o time do técnico Levir Culpi do G-4 do Campeonato Brasileiro e afastou definitivamente o sonho de ainda brigar pelo título da Série A.
 
Com o fracasso na capital paranaense, o Galo foi ultrapassado por Internacional, que ontem fez 2 a 1 no Santos, na Vila Belmiro, e assumiu a terceira posição, e pelo Fluminense, que no sábado bateu o Goiás por 2 a 0, no Serra Dourada, em Goiânia, e agora fecha o G-4.
 
Apesar de ter deixado o grupo dos quatro primeiros colocados, o Atlético segue vivo na briga por uma vaga na Libertadores, pois tem os mesmos 54 pontos do Fluminense, sendo superado no saldo de gols.
 
Por causa do desgaste físico de alguns jogadores, já que o time disputa o Brasileirão e a Copa do Brasil simultaneamente, o lateral-direito Marcos Rocha, o zagueiro Jemerson e o meia Dátolo foram poupados ontem por Levir Culpi.
 
Com o Furacão brigando para se distanciar da zona de rebaixamento, e o Galo para se manter no G-4, o gol de Paulinho Dias, logo aos 43 segundos de bola rolando, num lance em que um desvio no zagueiro Edcarlos foi decisivo, acabou decretando o enredo do jogo.
 
O time paranaense passou a apostar na vantagem e se defendeu com muita entrega. O Galo teve o domínio do jogo, mas sem muita criatividade. Isso fez com que a partida fosse disputada com raras chances de gol criadas pelos dois lados.
 
ANÁLISE
 
Após o confronto, o técnico Levir Culpi ressaltou a entrega do time do Atlético-PR, mas destacou também a postura da sua equipe, principalmente no segundo tempo.
 
“Não tem muito para falar. Apesar de nós termos jogado com muita pressão no segundo tempo, o gol inicial deu ao Atlético-PR a possibilidade de marcação. Apesar de achar que pelo jogo, o empate seria mais justo, não podemos tirar o mérito do time deles, que deu a vida na marcação. Não conseguimos acertar muito também a parte tática, mas aí, a responsabilidade é minha”, afirmou o treinador, que acredita serem necessários mais 12 pontos nos 18 que vai disputar para alcançar uma vaga na Libertadores.
 
Levir vira o foco agora para a partida de volta das semifinais da Copa do Brasil contra o Flamengo, quarta-feira, no Mineirão, quando o Galo entra em campo com a desvantagem de ter perdido a ida, no Maracanã, por 2 a 0.
 
“O grau de dificuldade é muito grande, mas juntamente com a torcida podemos buscar mais uma vez. Espero que eles estejam conosco, pois vamos dar 100% lá dentro. Precisamos de um jogo épico”, garantiu Levir.