O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, afirmou que é necessário um movimento regional no continente para vencer a Covid-19. Pontes participou, nesta segunda-feira (21), de fórum organizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O vírus não tem fronteiras. Temos de desenvolver um movimento regional para trabalharmos juntos. Não faz sentido resolver a pandemia em um só país enquanto outros países próximos continuam lutando contra o vírus”, disse o ministro.
 

Marcos Pontes

O ministro participou da sessão plenária “Acelerando a produção local por meio de parcerias e cooperação”, coordenada pela cientista chefe da OMS, Soumya Swaminathan

Segundo ele, o Brasil tem contribuído com outros países da América do Sul, estabelecendo parcerias para a troca de informações sobre pesquisas e desenvolvimento de vacinas e também no acesso a equipamentos e infraestrutura. Ele disse que o seu ministério tem trabalhado no desenvolvimento de 15 projetos de vacinas nacionais, sendo que três deles estão em estágio mais avançado.

Pontes disse que a estratégia do Brasil de enfrentamento à pandemia da Covid-19 está concentrada em três pilares: produção local e distribuição de vacinas; desenvolvimento de imunizantes nacionais e investimento em infraestrutura de pesquisa, desenvolvimento e inovação no setor de saúde.

Fórum

O ministro participou da sessão plenária “Acelerando a produção local por meio de parcerias e cooperação”, coordenada pela cientista chefe da OMS, Soumya Swaminathan. A plenária contou com a participação de autoridades de saúde de países como Indonésia, Egito e África do Sul.

O encontro teve o objetivo de promover o debate global sobre produção local e transferência de tecnologia para melhorar o acesso a tecnologias e produtos de saúde seguros, eficazes e de qualidade e para salvaguardar a segurança da saúde global, regional e nacional.

Leia mais:
Para especialista, situação econômica deve pesar mais que avaliação da condução da pandemia, em 2022
'Caso de política': assim como a pandemia, vacinas passam a ser objeto de disputa eleitoral