O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD- AM), decidiu suspender nesta quinta-feira (17) os trabalhos do colegiado. A decisão foi tomada depois que foi confirmada a ausência do empresário Carlos Wizard. Apontado por senadores que integram a CPI como integrantes de um suposto “gabinete paralelo” de aconselhamento ao governo para ações de combate à pandemia de Covid-19, ele havia sido convocado pelo colegiado, mas na quarta-feira (16), mesmo fora do Brasil (ele está nos Estados Unidos), acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) e conseguiu um habeas corpus do ministro Luís Roberto Barroso.

“O que me espanta é um cidadão procurar um habeas corpus ao STF e não aparecer. Então para que foi ao Supremo, se ele não vinha? O ministro Barroso tem muitos afazeres dentro do trabalho que tem dentro do tribunal. Concede um habeas corpus ao Carlos Wizard, mas o senhor Carlos Wizard tem que entender que a Justiça brasileira tem outras coisas a fazer. É uma brincadeira”, criticou Aziz.
 

CPI

A desistência de ouvir o servidor foi motivada pela sessão do plenário do Senado de votação da MP que permite a privatização da Eletrobras (MP 1.031/2021)

Diante da situação, o presidente da comissão determinou que seja solicitada à Justiça a condução coercitiva do empresário. Além disso, a CPI quer a apreensão do passaporte dele.

Certos da ausência de Wizard, os senadores tinham um plano B para esta quinta-feira: o depoimento do auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) Alexandre Marques. Ele foi convocado para esclarecer um “estudo paralelo” usado pelo presidente Jair Bolsonaro para questionar o número de mortes por Covid-19 no Brasil no ano passado. Em nota, o TCU informou posteriormente que não é o autor do estudo e que o “documento refere-se a uma análise pessoal de um servidor do Tribunal compartilhada para discussão e não consta de quaisquer processos oficiais desta Casa”.

Marques, que chegou a ir ao Senado nesta quinta-feira, também estava amparado por um habeas corpus parcial concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do STF. Pelo instrumento, apesar de não ter sido desobrigado de comparecer, ele teria o direito de ficar calado no depoimento.

Eletrobras

A desistência de ouvir o servidor foi motivada pela sessão do plenário do Senado, marcada para a manhã desta quinta, de votação da medida provisória que permite a privatização da Eletrobras (MP 1.031/2021). Senadores criticaram mudanças feitas pela Câmara dos Deputados, que obrigam a contratação de termelétricas. A avaliação é que essa modificação terá impacto na conta de luz. Mesmo os favoráveis a privatizações consideram que o prazo é curto para analisar uma proposta tão complexa, que perde a validade no próximo dia 22.

Leia mais:
Donos de empresas de ônibus são intimados a prestar depoimento na CPI da BHTrans
Relator da reforma administrativa na Câmara dos Deputados apresenta roteiro de trabalho
Operação da PF em Minas prende dois suspeitos de contrabandear migrantes para os EUA