Às vésperas de apresentar seu parecer a favor ou contra o impedimento da presidente Dilma Rousseff, o relator da comissão especial que trata do assunto, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), disse que impeachment não é golpe. "Na Constituição, diz que pode haver impeachment desde que haja os crimes lá elencados e estamos dentro disso", disse Jovair. "Golpe não é. A Constituição prevê. Estamos fazendo exatamente como determina a Constituição da República Federativa do Brasil, que é quem norteia todo o trabalho", afirmou.

O relator, que passou o dia em reuniões administrativas e conversando com parlamentares contrários e a favor do impeachment, disse ainda não ter concluído seu parecer, que deve ter cerca de 90 páginas.

Relatório para abertura de impeachment deve ser votado na próxima segunda

Protesto na Câmara critica negociação de cargos por votos contra impeachment

Jovair disse ainda não ter concluído seu entendimento sobre o caso, mas, até mesmo no governo, acredita-se que o texto será a favor do impeachment.

O relatório de Jovair deve incluir questões além das chamadas pedaladas fiscais e dos decretos sem autorização do Legislativo. "Pode ser que eu tenha que discorrer sobre outras coisas", confirmou Jovair. No entanto, ele ainda analisa se seu voto ficará restrito a essas questões.