Alvo da Operação Catilinárias, que cumpriu mandados de busca e apreensão nesta terça-feira (15) o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, afirmou, por meio de nota, que ficou surpreso com a ação, mas se pôs à disposição para esclarecimentos. "Apesar de surpreso, respeito a decisão do Supremo Tribunal Federal. Estou, como sempre, à disposição para prestar qualquer esclarecimento que se fizer necessário", afirmou.

Os mandados foram expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e são referentes a processos instaurados no âmbito da Operação Lava Jato. Além de Alves, também foram alvos outros líderes nacionais do PMDB, como o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), o ministro da Ciência e Tecnologia, Celso Pansera, e o senador Edison Lobão (MA). Nesta terça-feira, o ministro do Turismo se reuniu com o vice-presidente da República e presidente nacional do partido, Michel Temer, que recebeu também peemedebistas que são da ala favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.