O presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta tarde de segunda-feira (31) que o Orçamento de 2016 com déficit tem que mobilizar todos - Congresso, governo e sociedade - para encontrar saídas para o País. Ele recebeu hoje a peça das mãos dos ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Fazenda, Joaquim Levy.

"O orçamento deficitário significa uma mudança de atitude, pelo menos é um orçamento mais verdadeiro e mais realista e mobiliza todos no sentido de encontrar saídas para o Brasil. Eu acho que fundamentalmente é esse o objetivo, mobilizar todos para encontrar a saída para o Brasil", afirmou.

Mais uma vez, o presidente do Congresso criticou eventuais discussões de aumento de impostos, como a nova CPMF, que a presidente Dilma Rousseff desistiu de adotar no sábado.

"O aumento de imposto não pode ser caminho único, primeiro é preciso cortar despesas, melhorar a eficiência dos gastos públicos. O Congresso está disposto a colaborar nesta direção, mas eu acho que este orçamento, apesar do déficit, é uma mudança de atitude. É o primeiro passo, menos ficção, mais realismo, e é preciso que nós ajudemos", disse.

O peemedebista negou que a decisão do governo de enviar uma proposta com déficit joga a responsabilidade para o Congresso. Ele destacou que o Parlamento é a "representação da sociedade".

Renan citou que amanhã e na quarta-feira o Senado vai instalar comissões para levar adiante propostas para sair da crise, como a Agenda Brasil. Ele disse que o plenário do Senado deve votar amanhã o projeto que prevê a repatriação de recursos de brasileiros no exterior não declarados ao Fisco.