O ex-diretor da Petrobras Renato Duque (Serviços), preso na Operação 'Lava Jato', e seu novo advogado Marlus Arns estiveram na Superintendência da Polícia Federal, no Paraná, para tratar de sua delação premiada nesta quarta-feira (5). O Ministério Público Federal também participou da reunião.

Duque é apontado como elo do PT no esquema de pagamento de propinas na estatal petrolífera. Ele teria sido indicado ao cargo pelo ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (Governo Lula), preso na segunda-feira (3) na operação Pixuleco, 17º capítulo da 'Lava Jato'.

Na terça-feira (4) o delegado Igor Romário de Paula afirmou que as declarações de Renato Duque podem ter o mesmo impacto da delação de um outro ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa (Abastecimento) - capturado em março de 2014. Costa tornou-se o primeiro delator da 'Lava Jato' e apontou os nomes de deputados, senadores e governadores que teriam sido beneficiários de propinas do cartel de empreiteiras que se instalou na Petrobras entre 2004 e 2014.

"Os que estão presos hoje, se vierem a fazer acordo com certeza vão ter repercussões na área política", disse o delegado da PF Igor Romário de Paula, que integra a força-tarefa da Operação Lava Jato. O delegado incluiu outros eventuais colaboradores. "Renato Duque, (Nestor) Cerveró, (Fernando) Baiano, enfim", disse Igor Romário de Paula em entrevista na terça-feira.

Duque foi preso após a Polícia Federal flagrar a tentativa do ex-executivo de ocultar patrimônio não declarado na Suíça por meio, por exemplo, da transferência de 20 milhões de euros para uma conta no Principado de Mônaco.

Nesta segunda-feira (3) os criminalistas Alexandre Lopes, Renato de Morais e João Baltazar renunciaram em todos os processos em que defendiam Duque. "Em razão de princípios nossos, não advogamos para aquele que resolve realizar delação premiada. O advogado do delator passa a ser, em verdade, o Ministério Público. Delação, em nossa visão, não se coaduna com defesa criminal", afirmou Alexandre Lopes.