Depois de retirados das galerias na noite de quarta-feira (6) sindicalistas ligados à Força Sindical foram barrados nesta quinta-feira (7) e protestaram com cartazes e dólares falsos nas cuecas na entrada da Câmara.

Votação de 1ª medida do ajuste fiscal mostra apoio da base, afirma Levy
Contrário à MP 665, cuja votação continua nesta tarde, o grupo de manifestantes carregava cartazes de "Procura-se" com as fotos da presidente Dilma Rousseff e do líder do governo, José Guimarães (PT-CE). Eles gritavam palavras de ordem contra a petista e vestiam cuecas vermelhas recheadas com dólares, em alusão a um episódio ocorrido em 2005, quando um assessor de Guimarães foi flagrado com dinheiro na cueca.

"Hoje não conseguimos entrar. Na hora, disseram 'hoje não tem sessão e vocês não podem entrar'", explicou Célio Malta, secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos, ligado à Força Sindical.

Ele veio com mais sete diretores do sindicato e, entre passagem e hospedagem, a entidade está gastando entre R$ 3.500 e R$ 4.000 com cada um deles.

Segundo o sindicalista, a Força Sindical mandou imprimir 30 mil notas de dólares falsas. Uma parte foi lançada sobre os deputados na sessão de quarta-feira, as demais foram jogadas no Salão Verde nesta tarde e preencheram as cuecas. Além de São Paulo, sindicatos de Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás mandaram representantes para as manifestações.

Malta disse que eles voltarão na próxima semana para acompanhar a votação da MP 664.

A assessoria de imprensa de José Guimarães disse que o deputado foi excluído do processo que se encontra no STF (Supremo Tribunal Federal).