O prefeito de Carangola Luiz Cezar Soares Ricardo (PT do B) e o fazendeiro Jeferson Domingos Finoti tiveram seus bens bloqueados até o valor de R$ 1,3 milhões. A decisão foi baseada em uma ação do Ministério Público Estadual (MPE) questionando a negociação de seis terrenos, em valor superior a R$ 2,2 milhões, no distrito de Lacerdina, para a implantação de projetos subsidiados pelos governos estadual e federal.
 
Segundo o MPE, em junho de 2013, o prefeito enviou um projeto de lei à Câmara para abertura de crédito adicional especial para a aquisição de alguns imóveis rurais e a liberação dos recursos foi aprovada pelos vereadores. “Entretanto, a aquisição não foi precedida de uma avaliação imparcial, não passando de um ato simulado com vistas a dar aparência de legalidade a uma negociação particular, totalmente desvirtuada do interesse público”, afirmou o promotor de Justiça de Carangola Breno Max de Jesus Silveira.
 
Ainda de acordo com o promotor, outro agravante constatado durante as investigações é que não foram realizados estudos técnicos sobre a viabilidade ambiental de determinados empreendimentos nos terrenos desapropriados. Conforme a ação, boa parte das propriedades adquiridas na negociação estariam em área de preservação permanente. “O local está constantemente sujeito a inundações nos períodos das chuvas”, acrescenta.
 
Além do bloqueio dos bens dos envolvidos, a Justiça decretou ainda a indisponibilidade dos terrenos e determinou que o Município deposite em juízo o pagamento das parcelas pendentes na negociação.
 
A reportagem tentou contato com o prefeito Luiz Cezar, por meio da Prefeitura de Caratinga, mas não obteve sucesso. Já o fazendeiro Jeferson Domingos não foi localizado.