O vereador Adriano Ventura (PT) conseguiu uma liminar para permanecer como vice-presidente da Comissão de Orçamento e Finanças Públicas da Câmara Municipal de BH. Ele entrou com mandado de segurança logo que foram publicadas, nesta quinta-feira, no Diário Oficial do Município, as mudanças na composição das comissões permanentes da Casa. As alterações estavam previstas na reforma do Regimento Interno aprovada no final do ano passado. 

Contudo, o rearranjo causou indignação nos membros dessa comissão especificamente, que foi a mais modificada. “Foi uma manobra do governo para influir nas decisões da comissão”, argumentou Adriano Ventura. Na nova composição, ao contrário do que acontecia antes, a maioria dos membros é da base do governo Lacerda.
 
Na última sexta-feira (28), foi realizada a primeira reunião da nova comissão, onde foram definidos o presidente, vereador Sérgio Fernandes (PV), e o vice, Coronel Piccinini (PSB). O encontro foi marcado por discursos acalorados. O vereador Gilson Reis (PCdoB), único de oposição que havia permanecido, disse que “o que aconteceu foi uma tentativa de golpe por parte da prefeitura e da Mesa Diretora da CMBH”.
 
Já Sérgio Fernandes amenizou o tom dizendo que “o movimento da oposição é natural” e que cabe à Casa lidar com as questões judiciais. O vereador Jorge Santos (PRB) também aguarda decisão sobre mandado de segurança para se manter como presidente da comissão.