Além das cobranças pelo que apontaram como falhas da atual administração, os quatro candidatos de oposição que participaram na quinta-feira (2) do debate da TV Bandeirantes aproveitaram os pontos fracos do PMDB para atacar o prefeito Eduardo Paes, candidato à reeleição. O mensalão e as viagens luxuosas do governador Sérgio Cabral, companheiro de partido e aliado de Paes, foram abordados. No Rio, o PMDB e o PT repetem a aliança nacional. Paes tem como candidato a vice o vereador petista Adilson Pires.

Coube ao deputado Otávio Leite lançar o assunto do mensalão. O tucano pediu "luz" ao STF para julgar "esta máfia que se instalou Planalto". Na porta da emissora, antes do debate, a claque do candidato Rodrigo Maia (DEM), filho do ex-prefeito Cesar Maia, provocou o prefeito: "Eira, eira, eira, o 1 é Cachoeira / ão, ão, ão, o 15 é mensalão", gritaram os cabos eleitorais, levados pelo PR da candidata a vice de Rodrigo, Clarissa Garotinho, filha do ex-governador Anthony Garotinho. Faziam referência ao número do PMDB de Paes.

O candidato do PSOL, Marcelo Freixo, lembrou o desgaste de Cabral com a divulgação de imagens de viagem à França com o empresário Fernando Cavendish, dono da construtora Delta. Fotos e vídeos foram divulgados no blog de Garotinho. Ao cobrar do prefeito investimentos em trens e metrôs, em vez de apostar apenas no transporte rodoviário, Freixo ironizou: "Em lugar nenhum no mundo o transporte rodoviário é solução para transporte de massa. Você sabe disso, vocês viajam muito no PMDB. Em vários países, em Paris e vão ver que o transporte sobre trilho funciona muito bem." Paes ignorou a provocação.

Segurança pública, saúde, educação, camelôs, transporte, combate ao crack, limpeza urbana. Quase todos os temas abordados serviram de senha para ataques dos quatro candidatos de oposição à atual administração. Paes reagia lembrando, sem citar nomes, promessas não cumpridas de antigos administradores da cidade e do Estado, como nos casos do transporte público e da coleta de lixo. "O bilhete único e o BRT (sistema de vias expressas) eram promessas antigas que nós pusemos em prática", disse o prefeito. "O lixão de Gramacho era uma vergonha", completou, citando terreno fechado pela prefeitura no mês passado. Ao ser ataca por Freixo pelas falhas na educação, Paes respondeu: "O deputado Marcelo Freixo está falando de outra rede de ensino."

Duas vezes sorteado para fazer a primeira pergunta ao candidato que escolhesse, Rodrigo Maia não escolheu o prefeito e preferiu, nos dois blocos, questionar o candidato do PSOL. Freixo escolheu Paes nas duas oportunidades. Como o tucano Otávio Leite, mencionou o mensalão. "A gente é favorável que se investigue o mensalão do DEM em Brasília, do PSDB em Minas e o que está sendo julgado pelo Supremo", afirmou.