BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff recebeu no início da noite desta quinta-feira (19) o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, do PSB, mas pediu a ele para rediscutir sua permanência no cargo somente na semana que vem. Dessa forma, Bezerra continua a frente da pasta.
 
Dilma viajará para Nova York no próximo domingo (22) para participar, na próxima terça-feira, da abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas. Ela estará de volta entre quarta e quinta-feira. 
 
Segundo o porta-voz da Presidência, Thomas Traumann, Bezerra poderá se reunir novamente com Dilma até a próxima sexta-feira. Ele esteve com a presidente por cerca de 30 minutos, por orientação do presidente do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos. 
 
Aliado do PT desde 1989, o PSB anunciou na quarta-feira (18) seu desembarque do governo federal. Trata-se do primeiro passo concreto da candidatura presidencial de Campos, com vistas à campanha do ano que vem. 
 
A visita de Bezerra seguia orientação de Campos, que decidiu se antecipar ao Palácio do Planalto e deixar tanto o Ministério da Integração Nacional, quanto a Secretaria de Portos, comandada por Leônidas Cristino. 
 
Este último encontra-se em viagem ao Panamá e tem previsão de retorno somente para a semana que vem. É também da cota do PSB do Ceará, que ainda vai se reunir para discutir sua posição junto ao governo federal. 
 
A decisão de abrir mão das duas pastas e dos demais cargos do segundo escalão surpreendeu tanto o Palácio do Planalto quanto a cúpula do PT, ambos incomodados com a movimentação recente de Campos e seus flertes com o adversário PSDB.
 
A decisão, desde quarta-feira (18), é tratada com discrição no Palácio do Planalto. A promessa de Campos de permanecer votando junto com o governo no Congresso, mas sem ocupar cargos, ainda que vista com cautela por palacianos, foi avaliada como de bom tom pela presidente.