Joaquín seguia ganhando força nessa quinta-feira (01), após varrer as Bahamas com ventos de 215 km/h, como furacão da categoria 4 na escala Saffir-Simpson, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC).

"Joaquín transformou-se num furacão extremadamente perigoso de categoria 4" na escala Saffir-Simpson, e segue ganhando força, revela o último boletim do NHC, com sede em Miami.

A zona central das Bahamas, arquipélago do Atlântico perto do estado norte-americano da Flórida, sofreu durante o dia com fortes ventos e chuvas torrenciais causadas por Joaquín, e o castigo continuará nesta sexta-feira (02).

À 01H00 GMT (22H00 Brasília), Joaquín estava a 35 km de Clearence Town, em Long Island, Bahamas, e nesta sexta-feira deve passar sobre a zona norte do arquipélago para seguir em paralelo pela costa leste dos Estados Unidos.

Segundo os últimos modelos, deve passar perto do estado da Carolina do Norte no final de semana e chegar a Nova Jersey, Nova York e os estados da Nova Inglaterra (nordeste) no início da semana que vem, embora já rebaixado para tempestade tropical.

O presidente Barack Obama tem se mantido atualizado sobre os preparativos para a passagem de Joaquín, informou a Casa Branca.

Joaquín, que já é o mais forte da atual temporada de furacões que termina em novembro, provoca chuvas torrenciais sobre as Bahamas, especialmente sobre o centro do arquipélago.

Joaquim é a 10ª tempestade da temporada de furacões do Atlântico, que começou em junho e termina em novembro.

Em agosto, a tempestade tropical Erika deixou 30 mortos e provocou muitos danos materiais na pequena ilha caribenha de Dominica.