MALE, Maldivas - Os habitantes das Maldivas começaram neste sábado a votar em uma terceira tentativa de eleger seu presidente para colocar fim ao mal-estar provocado pela destituição há 21 meses do primeiro chefe de Estado eleito livremente nesta jovem democracia.

"A votação começou em 475 colégios eleitorais das Maldivas e em muitas capitais estrangeiras nas quais vivem maldivos", declarou à AFP Aishath Reeman, funcionária da Comissão Eleitoral.

Aishath Reema indicou que a eleição durará oito horas e meia para que as 239.105 pessoas convocadas às urnas possam depositar seu voto.

Os resultados serão divulgados no domingo e, se nenhum dos três candidatos obtiver mais de 50% dos votos, será realizado um segundo turno no mesmo dia.

O arquipélago do oceano Índico, conhecido por suas praias paradisíacas, foi alvo de fortes pressões diplomáticas desde que a Suprema Corte cancelou as eleições de 7 de setembro por irregularidades, embora os observadores internacionais tenham considerado que elas transcorreram em liberdade e com imparcialidade.

Quando, seis semanas depois, no dia 19 de outubro, uma segunda tentativa de eleições foi impedida, as suspeitas de que as autoridades estavam decididas a impedir que o líder da oposição Mohamed Nasheed voltasse ao poder aumentaram.

Após uma forte pressão internacional, os três candidatos concordaram em voltar a convocar as eleições para este sábado.

Nasheed, um ativista pró-democrático de 46 anos, venceu em 2008 as primeiras eleições livres e após sua renúncia, forçada por um levante de oficiais da polícia, afirmo que havia sido vítima de um golpe de Estado.