NOVA YORK - Um policial americano foi suspenso depois de ter divulgado sem autorização fotos mostrando o suposto autor do atentado na maratona de Boston em abril coberto de sangue no momento de sua detenção, segundo a revista Boston Magazine, que publicou as imagens.

Sean Murphy, que tirou as fotos durante a captura de Dzhokhar Tsarnaev, gravemente ferido, queria mostrar o verdadeiro autor dos atentados, explicou, furioso porque a revista Rolling Stone havia colocado em sua capa uma imagem quase romântica do jovem. "Este homem é o diabo", explicou à Boston Magazine.

O policial acusou a revista de "valorizar o rosto do terrorismo" com a capa protagonizada por Tsarnaev.

A polícia de Massachusetts (nordeste dos Estados Unidos) indicou que o policial suspenso será investigado. Segundo a Boston Magazine, seu distintivo e sua arma de serviço foram confiscados na noite de quinta-feira, assim como seu telefone celular e seu computador.

Uma porta-voz do procurador federal responsável pelo caso de Tsarnaev em Boston, Christina Dilorio-Sterling, classificou a publicação das fotos como "completamente inaceitável".

"Já conversamos com a polícia do estado de Massachusetts, que nos assegurou que a divulgação das fotos não havia sido autorizada e que responderia tomando medidas internas", disse Dilorio-Sterling em um breve comunicado.

Algumas das fotos mostram Dzhokhar Tsarnaev, de 19 anos, com o rosto ensanguentado enquanto saía durante a noite da lancha na qual foi encontrado gravemente ferido 24 horas depois dos atentados, realizados no dia 15 de abril. Em várias delas, pode-se ver em seu corpo um ponto vermelho, já que estava na mira da arma de um policial à distância.

Murphy, policial há 25 anos, é fotógrafo e documentou os bastidores da prisão de Tsarnaev.

O oficial entregou à Boston Magazine centenas de fotos.

Duas bombas artesanais supostamente fabricadas por Dzhokhar Tsarnaev e seu irmão Tamerlan - de 26 anos, falecido posteriormente - explodiram perto da linha de chegada da maratona de Boston, deixando três mortos e 264 feridos.

Os dois irmãos muçulmanos de origem chechena também mataram um policial horas mais tarde, quando tentavam escapar da perseguição.

Tsarnaev pode ser condenado à morte, mas se declarou inocente no dia 10 de julho das 30 acusações pelas quais é acusado.