A crise econômica associada à pandemia fez com que muitas empresas fechassem as portas no 1º trimestre de 2021, em Minas. De acordo com o Sebrae, 31.080 empreendimentos encerraram as atividades no Estado. Quase a totalidade dos desistentes (98%) foram Microempreendedores Individuais (MEI) e Microempresas (ME).

Para a analista do Sebrae Minas Bárbara Castro, o momento de dificuldade exige que o pequeno empreendedor esteja atento a novas oportunidades e quanto a iniciativas que poderia buscar para manter o negócio ativo. “É um tempo que exige dele ou dela conhecer bem o cliente, buscar informações sobre o mercado e vislumbrar oportunidades”, destaca.

Foi justamente olhando para as oportunidades que Rick Alves, ator e fundador do Espaço Cênico Belo Horizonte – escola de artes que funciona há 23 anos na capital –, decidiu “aproveitar” a pandemia para “ressignificar” o negócio.

Com as portas fechadas há mais de um ano, Rick manteve funcionários e investiu pesado para modernizar o espaço. Construiu um anfiteatro, um estúdio e refrigerou o ambiente. Mesmo em meio a todos os panoramas negativos, preferiu apostar alto no pós-pandemia.

“Eu tinha duas opções: fechar e recomeçar do zero ou inovar para, quando tudo voltar ao normal, oferecer o melhor para meu público. Preferi investir energia para produzir algo de positivo e seguir em frente com o sonho da minha vida”, garantiu.

Leia mais:

Retração: campeões em novos empregos em 2020, pequenos negócios têm redução de aberturas neste ano