O novo coronavoucher será depositado nas contas poupanças digitais da Caixa, abertas por trabalhadores informais inscritos no CadÚnico desde o ano passado. Os recursos, como em 2020, poderão ser movimentados pelo aplicativo Caixa Tem e não haverá, de início, retirada de montantes em espécie. Clique aqui e confira escala de pagamento.

De duas a quatro semanas após o depósito, contudo, o dinheiro poderá ser sacado ou transferido para uma conta corrente. 
Quem é beneficiário do Bolsa Família poderá retirar o dinheiro diretamente nos dez últimos dias úteis de cada mês. O auxílio emergencial somente será pago quando o valor for superior ao benefício do Bolsa Família. 

Nesta nova rodada, segundo o governo federal, pessoas que moram sozinhas vão receber R$ 150 por parcela. Já as mães solteiras que sustentam a família vão ganhar R$ 375 mensais e as demais famílias, R$ 250. O auxílio será pago em quatro vezes. 
Estão aptos a receber o novo auxílio pessoas que têm mais de 18 anos (exceto e mães adolescentes de 12 a 17 com pelo menos um filho); que não têm carteira assinada (vínculo formal ativo); e não recebem benefício previdenciário, assistencial, trabalhista ou programa de transferência de renda federal.

Além disso, também faz jus quem não tenha renda familiar mensal per capita (dividida pelo número de membros) acima de meio salário mínimo; não tenha recebido, em 2019, rendimentos tributáveis (como salário e aposentadoria) acima de R$ 28.559,70; não seja de família com renda mensal total acima de três mínimos; não esteja preso em regime fechado nem receba auxílio-reclusão e não ser estagiário, residente médico, residente multiprofissional ou beneficiário de bolsas de estudo concedidas em nível municipal, estadual ou federal.

*Com Agência Brasil

Leia mais:

Pequena grande ajuda: novo 'coronavoucher' começa a ser pago hoje a ao menos 4 milhões de mineiros