A balança comercial de Minas Gerais fechou o mês de fevereiro com saldo positivo de US$ 986,81 milhões. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (7) pela Exportaminas - unidade de comércio exterior da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), em parceria com a Fundação João Pinheiro (FJP).

Os produtos mineiros que mais ganharam o mundo em fevereiro deste ano foram minério de ferro, café e automóveis, além do ouro e pedras preciosas. As exportações totalizaram US$ 1,47 bilhão, representando um aumento de 14% em relação ao mês anterior. Já as importações alcançaram US$ 482,62 milhões, com redução de 27,3% em relação à janeiro.

Com o resultado, Minas Gerais foi responsável por 11% das exportações e 4,7% das importações totais do país. O principal destino dos produtos mineiros continua sendo a China, com 18,2% do total exportado no período analisado. Em seguida vem a Argentina, com participação de 10,6%; Estados Unidos, com 10,1%; Japão com 6,7%; e Países Baixos com 6,4%.

Já os Estados Unidos foram o principal fornecedor de Minas Gerais, com 17,9% da pauta importadora, seguido por China, com 17,2%, Argentina, com 10,1%, Itália, com 5,2%, e França com 4,6% do total importado.

Minas Gerais aumenta volume do comércio internacional

Na comparação dos dados entre 2014 e 2015, a balança mineira apresentou destaques positivos. Outros países que tiveram destaque
foram o México (19,8%), Malásia (53,2%), Canadá (4%) e Arábia Saudita (81,2%).

No caso do México o destaque foram as exportações de minérios, produtos químicos, tratores e materiais cerâmicos. Já nas exportações para a Malásia, destacam-se as commodities agrícolas e o setor agropecuário, além de itens do setor de alimentos e bebidas, o tradicional minério, produtos têxteis, calçados e itens em couro.

O Canadá, por sua vez, registrou avanço das exportações de carnes, pérolas, pedras e metais preciosos, além de produtos siderúrgicos e
instrumentos científicos. Já a Arábia Saudita se destacou pela compra de commodities agrícolas e do setor agropecuário, alimentos e bebidas, produtos cerâmicos e produtos siderúrgicos.