Com teto mais alto para o financiamento de projetos, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) colocou essa semana na praça o edital de demanda universal, o mais abrangente da entidade, e onde o pesquisador escolhe a área a ser pesquisada sem a indução do Estado. Os recursos à disposição somam R$ 23 milhões e as propostas, que em 2014 deveriam pleitear, no máximo, R$ 50 mil, agora tiveram reajuste para R$ 60 mil. Os pesquisadores interessados têm até 30 de abril para apresentarem suas propostas.
 
Em 2014, também com orçamento de R$ 23 milhões, o edital de demanda universal recebeu 2.008 propostas e contratou 846 delas. O setor de ciências biológicas e biotecnologia recebeu a maior parte dos desembolsos, um total de R$ 4 milhões distribuídos em 114 projetos. Em segundo, o segmento de ciências exatas e materiais, ficou com R$ 3,532 milhões para 128 projetos.
 
O edital deste ano inclui três novos itens financiáveis com os recursos do edital: a publicação de até dois artigos científicos, em periódicos especializados e indexados; o financiamento de diárias e passagens para visitas técnicas dos membros da equipe; e o financiamento de diárias para pagamento de passagens e taxa de inscrição para o coordenador apresentar trabalhos em congresso (limitado a dois eventos no país). O prazo de execução de cada projeto contratado é de até vinte e quatro meses.
 
Segundo a Fapemig, o edital universal tem como principal característica dar ao pesquisador a liberdade de propor seu tema e motivá-lo a permanecer no Estado. Ao mesmo tempo, cria condições para aparelhar e manter os laboratórios de pesquisa. Para assegurar o fomento dos pesquisadores e garantir a rotina da pesquisa científica no Estado, o edital é vinculado a dois editais demandados pela comunidade científica: o Edital de Manutenção de Equipamentos Especializados e o Edital do Programa Pesquisador Mineiro.
 
 
Pesquisador Mineiro
 
Lançado na última quarta-feira, e com recursos de R$ 8 milhões, o Programa Pesquisador Mineiro recebe propostas até o dia 16 de março. O objetivo é financiar planos de trabalho de pesquisadores.
 
Os recursos serão disponibilizados por meio de 200 cotas compostas de vinte e quatro mensalidades. O prazo de execução de cada proposta contratada é de vinte e quatro meses, contados a partir de julho de 2015.
 
O último relatório de atividades publicado pela Fapemig, de 2013, mostra que naquele ano a entidade recebeu 5.265 propostas em 19 editais lançados. O valor total financiado acumulou R$ 109,7 milhões.