O desconto médio da Black Friday deste ano deve superar o de 2013, que foi de 25% em produtos de categorias pesquisadas pela Sieve Price Intelligence, empresa que atua na área de monitoramento de preços do e-commerce para varejistas e fabricantes. 'Além de haver um cenário econômico mais adverso, em que o consumidor está mais cauteloso no gasto, há um amadurecimento dos lojistas de forma geral no Black Friday', diz Jefferson Costa, gerente da Sieve Price.
 
Para calcular o desconto médio de 25%, foram medidos os preços de produtos das categorias durante os três meses prévios à edição do Black Friday. Apuradas as médias, elas foram comparadas aos valores de venda no dia da promoção.
 
De acordo com a pesquisa, os produtos de papelaria foram os que tiveram maiores descontos médios, de 31%, seguidos por brinquedos (30%) e moda e acessórios e casa e decoração (27%). A maioria dessas categorias, entretanto, não está entre as mais procuradas pelos consumidores na data. De acordo com a medição da consultoria E-bit, no ano passado a categoria mais vendida foi telefonia/celulares, seguida por eletrodomésticos, moda e acessórios, informática e eletrônicos.
 
Isso acontece porque, nesses produtos, que costumam custar mais caro, um índice de desconto menor pode representar uma queda maior de preço em valores totais.
 
Em 2013, a Black Friday movimentou R$ 770 milhões - foram 1,950 milhão de pedidos foram feitos via internet. O tíquete médio de cada compra ficou em R$ 396. Para 2014, a previsão é que a data gere receitas de R$ 1,2 bilhão.
Só são considerados para o cálculo da Sieve Price os produtos que são marcados como participantes da Black Friday pela Busca Descontos, cujo dono, Pedro Eugênio, é idealizador do evento. Os itens que variam de preço mas não são marcados como participantes da data não são considerados.
 
A empresa também calculou os descontos máximos oferecidos na edição de 2013. Os mais expressivos foram em moda e acessórios (80%), eletrodomésticos (76%) e casa e decoração (75%). Segundo a empresa, o desconto máximo é registrado a partir de um único produto que foi vendido nesse patamar.
 
Uma das mudanças que deve ocorrer nas ofertas deste ano, segundo Costa, é que os lojistas devem dar destaque ao site que oferece os descontos e não somente aos produtos em si.
 
Nos primeiros anos do evento, que começou a acontecer no Brasil em 2010, eram comuns aparecerem descontos de 'metade do dobro', com lojas elevando preços para depois baixá-los.