O empresário Eike Batista será julgado em novembro pela 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro por crimes contra o mercado de capitais. A audiência será no dia 18. Ele é acusado de manipulação do mercado e de usar informação sigilosa para obter vantagens.
 
Somadas, as penas para os dois crimes variam de dois a 13 anos de prisão, além de multa equivalente a três vezes o valor da vantagem ilícita. Eike foi denunciado pelo Ministério Público e já teve, em setembro, R$ 1,5 bilhão em bens bloqueados, por determinação do juiz Flavio Roberto de Souza, da 3a Vara Federal Criminal.
 
Segundo denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o empresário ocultou do público informações importantes sobre a baixa potencialidade de reservas de petróleo explorados por sua empresa, a OGX, e feito manobras para iludir investidores.
 
A defesa chegou a pedir a absolvição sumária de Eike Batista, o que foi negado pelo juiz Flavio Roberto de Souza.
 
A Agência Brasil tentou falar com o advogado que representa o empresário no caso, Ary Litman Bergher, mas ainda não teve retorno.