O Brasil atingiu nesta terça-feira (18) a marca de 90 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 distribuídas no país, informou o Ministério da Saúde em mensagem no Twitter.

Segundo a pasta, no período entre a última quinta (13) e esta quarta (19), o total é de 13 milhões de imunizantes distribuídos aos estados e municípios. Dessas, 8,3 milhões são da AstraZeneca, 4 milhões, da CoronaVac e 647 mil da Pfizer.

De posse das vacinas, os estados são os responsáveis pela divisão e entrega dos lotes aos municípios. De acordo com o Ministério da Saúde, já foram enviadas remessas para proteção de 15 dos 28 grupos prioritários estabelecidos pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO). Até agora, mais de 53,6 milhões de doses foram aplicadas.

Produção

A produção de imunizantes contra a Covid-19 no país, porém,  tem sofrido com a falta de ingrediente farmacêutico ativo (IFA). Nesta segunda-feira (17), o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz) informou que deve receber no próximo sábado (22) uma nova remessa de insumos para a fabricação dos compostos químicos.

Os carregamentos são importados da China, onde são produzidos pela Wuxi Biologics. Após a próxima entrega, está prevista para o dia 29 deste mês a chegada de mais uma remessa.

Com o desembarque dos dois carregamentos de IFA no Brasil, a Fiocruz afirma que estará garantida a entrega de vacinas ao Programa Nacional de Imunizações nas três primeiras semanas de junho.

Já o Instituto Butantan informou que um carregamento de matéria-prima para a CoronaVac chegará ao Brasil no próximo dia 26. Por lá, a produção de vainas contra a Covid-19 está paralisada desde a última sexta-feira (14) por falta de insumos. Segundo a entidade, 4 mil litros de IFA, suficientes para a produção de 7 milhões de doses, estão previstos para chegarem.

De acordo com a instituição, a falta de matéria-prima ocorreu por problemas burocráticos, provocados por declarações de membros do governo brasileiro sobre a China.

Após atraso de duas semanas, idosos de 66 anos recebem 2ª dose da CoronaVac em BH
Vacina é esperança para pôr fim à pandemia, diz ministro da Saúde