A vacinação contra a Covid-19 avançou para a fase de imunização das pessoas com comorbidades. O termo é empregado aos que tem doenças crônicas, que podem facilitar a evolução do quadro de infecção para uma situação grave. 

As pessoas com comorbidades entraram na fila após trabalhadores da saúde, idosos e parte das forças de segurança. Conforme o plano nacional, os estados podem alterar a ordem das prioridades. Mas como comprovar as chamadas comorbidades?

O Ministério da Saúde orienta que as pessoas estejam pré-cadastradas no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI) ou em unidades de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

Contudo, isso não é uma condição. Qualquer um que se enquadrar no grupo pode apresentar uma comprovação de condição de saúde. Valem exames, relatórios médicos, receitas, prescrições.

Criérios

O Ministério da Saúde orienta as autoridades locais de saúde que, dentro do universo das pessoas acometidas com comorbidades, seja empregado o critério de idade em grupos de intervalos de cinco anos.

Assim, seriam imunizados primeiro as pessoas com 55 a 59 anos. Em seguida, aquelas com 50 a 54 anos. E assim por diante até a idade mínima dos grupos prioritários, de 18 anos.

Em BH, é preciso fazer um cadastro no site da prefeitura. Nesta quinta-feira (13), novas inscrições serão abertas.

Leia mais:
Governo de Minas orienta municípios a suspenderem vacinação de grávidas com vacina Astrazeneca
Em CPI, Wajngarten fala sobre campanha contra Covid e vacina da Pfizer