RIBEIRÃO PRETO - Duas trabalhadoras rurais morreram após serem esfaqueadas na manhã desta quarta-feira (26) numa lavoura de café por um colega de trabalho, em Altinópolis (347 km de São Paulo). 
 
Elas foram socorridas, mas não resistiram aos ferimentos e morreram ao chegarem no hospital. O suspeito do crime fugiu e é procurado pela polícia. 
 
De acordo com o delegado do município, Cezar Augusto de França, o motivo foi uma discussão sobre o plantio de uma muda de café na fazenda em que trabalhavam. 
 
Segundo ele, por volta das 7h45, Reginaldo Gabriel da Silva, de 38 anos, teria discutido com Maria de Lurdes da Silva, de 62, por causa da plantação. Na sequência, Silva foi até sua mochila, pegou um punhal e passou a golpear a colega que estava de costas e agachada trabalhando. 
 
"Ela foi pega na traição, de costas, e isso pesa na acusação", disse o delegado. 
 
Ainda de acordo com França, por um motivo ainda desconhecido, o suspeito foi até Solange Vieira Ferreira, de 45 anos, que estava a cerca de 30 metros de distância e também a golpeou. 
 
Solange levou sete facadas e Maria de Lurdes, cinco. Uma ambulância socorreu as trabalhadoras no local e as encaminhou para o hospital local, onde morreram. 
 
Uma mulher que seria a namorada do agressor conseguiu retirar o punhal das mãos do acusado. Com a chegada da polícia, de acordo com o delegado, Silva fugiu pelo matagal e está desaparecido. 
 
França ouviu o grupo de trabalhadores rurais que presenciaram o crime. Ele disse que não há histórico de violência ou de discussões envolvendo o suspeito.