SÃO PAULO - A corretora de imóveis Mary Vieira Knorr, 53, foi transferida na tarde desta terça-feira (8)  para a penitenciária de Tremembé (a 147 km de São Paulo). Ela é acusada de matar as filhas Giovanna, 14, e Paola, 13, na casa da família no bairro Jardim Bonfliglioli, na zona oeste de São Paulo, no mês passado.

Knorr, que teve a prisão preventiva decretada, ficou internada no Hospital Universitário da USP e no Hospital Psiquiátrico Pinel após a localização dos corpos de duas de suas filhas, em 14 de setembro.

A juíza Lizandra Maria Lapenna, da 5ª Vara do Júri, acatou na semana passada a denúncia feita pelo Ministério Público, que acusa Knorr de homicídios dolosos (com intenção) duplamente qualificados - por meio cruel e recurso que dificultou a defesa.

A juíza também concordou com a Promotoria quanto ao exame de sanidade mental, que havia sido solicitado pela Polícia Civil, e foi negado pela Justiça.

De acordo com a denúncia, as adolescentes sofreram edema pulmonar e foram impedidas de respirar em consequência do envenenamento causado pela mãe.
As adolescentes foram localizadas depois que o irmão mais velho, Leon Gustavo Knorr de Carvalho, 27, tentou entrar em contato com mãe, mas não obteve respostas. De acordo com a polícia, o filho tentava ligar para a mulher desde o dia 12. Preocupado, foi até a casa, onde sentiu um forte cheiro de gás.

A corretora estava na casa quando os corpos das garotas foram localizados. Segundo a polícia, ela estava deitada no chão da sala, alterada. Ela teria confessado o crime e disse que queria morrer, de acordo com a polícia.