RIO DE JANEIRO- As favelas que têm unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e continuam a ter confrontos e problemas com o tráfico de drogas receberão operações itinerantes de policiais da Coordenadoria de Polícia Pacificadora, disse nesta
sexta-feira(6) o coronel Frederico Caldas, coordenador-geral das UPPs. As três primeiras serão as comunidades da Rocinha, de São Carlos e do Alemão, e as ações devem começar na segunda quinzena de setembro.

"As operações serão itinerantes, dentro do princípio de polícia de proximidade, respeitando toda uma lógica de integração com a comunidade. Não haverá qualquer tipo de ação truculenta de policiais das UPPs. A ação do Bope [Batalhão de Operações Especiais] nessas comunidades será em situação de extrema necessidade, porque a gente pretende, com nosso próprio efetivo, dar as respostas", explicou o coronel sobre o projeto batizado de União de Paz.

Os grupos que farão as operações itinerantes terão entre 100 e 200 policiais e farão abordagens nas favelas, reforçando o policiamento local. Depois das três comunidades citadas, outras serão incluídas na lista: "O que a gente vai fazer a partir de agora é ter um trabalho de mapeamento. Os próprios comandantes já apresentaram para mim, na semana passada, um diagnóstico de cada comunidade."

O coronel informou ainda que a Secretaria de Segurança estuda no momento quais serão as UPPs inauguradas este ano.