No trimestre encerrado em novembro, a taxa de desocupação no país caiu para 11,6%, com a diminuição de 10,6% no número de desempregados, uma redução de 1,5 milhão de pessoas. A queda em relação ao trimestre anterior foi de 1,6 ponto percentual e o número de pessoas sem ocupação é de 12,4 milhões. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, a queda foi de 14,5%, com 2,1 milhões a menos em busca de trabalho.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua para o trimestre encerrado em novembro de 2021, divulgada hoje (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o instituto, entre o trimestre encerrado em agosto e o período encerrado em novembro, 3,2 milhões de pessoas conseguiram entrar no mercado de trabalho, um aumento de 3,5% no número de pessoas ocupadas.

De acordo com a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy, a recuperação pode estar refletindo a sazonalidade do fim de ano.

“Esse resultado acompanha a trajetória de recuperação da ocupação que podemos ver nos últimos trimestres da série histórica da pesquisa. O crescimento também já pode estar refletindo a sazonalidade dos meses do fim de ano, período em que as atividades relacionadas principalmente a comércio e serviços tendem a aumentar as contratações.”

O nível de ocupação foi estimado em 55,1%, um aumento de 1,7 ponto percentual frente ao trimestre anterior.

Rendimento

O rendimento médio real do brasileiro foi de R$ 2.444 no trimestre encerrado em novembro. Esse é o menor nível desde ao menos 2012, início da série histórica disponibilizada pelo IBGE.

Houve uma queda de 4,5% frente ao trimestre anterior e de 11,4% em relação ao mesmo trimestre de 2020.

Para efeitos de comparação, os valores divulgados sobre o rendimento médio consideram a inflação do período.

Leia também:
Teste negativo e comprovante de vacinação serão exigidos juntos em todos os eventos em BH, diz Kalil
Vacinação e teste negativo serão exigidos em jogos, corridas de rua e festas em BH; veja decreto
Decreto aponta necessidade de mais tempo para vacinação de crianças de 5 a 11 anos em BH