O benefício do Auxílio Gás, programa do governo Federal que vai destinar R$ 52, a cada dois meses, à população de baixa renda para compra do botijão, começa a ser pago nesta terça-feira (18).

A previsão é a de que o benefício atenda 5,47 milhões de famílias e injete R$ 285 milhões na economia do país em janeiro. Apesar de ser descrita como “bem-vinda” pelo público-alvo e revendedores de gás, a medida é encarada, por ambos os lados, como ineficiente. Têm direito ao benefício todas as famílias inscritas no CadÚnico com renda familiar mensal menor ou igual a meio salário-mínimo por pessoa e que já estão inscritas no Auxílio Brasil. 

De acordo com o Ministério da Cidadania, a inserção no programa acontece de maneira automatizada seguindo os mesmo critérios e cronograma do Auxílio Brasil, com ordem de pagamento definida pelo último algarismo do Número de Identificação Social (NIS) das pessoas cadastradas. 

Programa do governo Federal que vai destinar R$ 52, a cada dois meses, à população de baixa renda para compra do botijão

O pagamento começa a ser depositado hoje, 18, para os beneficiários com final de NIS 1 e vai até 31 de janeiro, com o pagamento para quem tem NIS terminado em 0. O valor será concedido a cada dois meses (consulte a tabela).

Segundo a pasta da Cidadania, dos R$ 285 milhões que devem ser injetados na economia pelo programa durante janeiro, o Nordeste é a região com o maior número de atendidos - cerca de 2,74 milhões de contemplados - e receberá a maior fatia: R$ 142,45 milhões. Em seguida, o Sudeste aparece com 1,78 milhões de beneficiados e um repasse de quase R$ 93 milhões.

Leia também:
Auxílio Gás começa a ser pago nesta terça, mas não anima nem quem vende
Covid-19 sobe 8 vezes em Minas de dezembro para janeiro
Crianças de 5 a 11 anos acamadas ou com mobilidade reduzida serão vacinadas nesta terça-feira