A Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) solicitou nesta quarta-feira (29) à Prefeitura de Belo Horizonte e à Câmara Municipal o congelamento do valor do IPTU de 2022. A entidade pleiteia que seja mantido o valor referente a 2021.

De acordo com o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva, em função da crise econômica causada pela pandemia da Covid-19, outras capitais do país com menor receita orçamentária do que Belo Horizonte adotaram o congelamento do imposto. “É essencial, considerando os inúmeros prejuízos e perdas financeiras ocorridos nos anos de 2020 e 2021 por conta da pandemia”, afirmou por meio de nota. 

Para Souza e Silva, o anúncio do congelamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automóveis (IPVA), comunicado nesta quarta-feira (29), pelo governador Romeu Zema (Novo), pode impactar positivamente a tomada de decisão para a manutenção do imposto municipal. 

“O prefeito Alexandre Kalil mostrou-se favorável ao congelamento do IPVA, pois a prefeitura está preparada para a queda da arrecadação. Com essa decisão, acreditamos que o congelamento do IPTU será facilitado. Como ele mesmo disse, “É hora do sacrifício do poder público. O comércio, o transporte e o usuário já se sacrificaram”. Sabemos que a administração municipal possui condições de promover o congelamento do IPTU e, assim, contribuir para a retomada de nossa economia”, explicou o dirigente.

Procurado, o secretário municipal de Fazenda, João Antônio Fleury, informou que com o desconto de 10% para o pagamento à vista, o IPTU de 2022 mantém o mesmo valor cobrado neste ano. Além disso, todas as dívidas tributárias existentes até 31 de dezembro de 2020 puderam ser renegociadas com descontos de 100% de juros e multas.

Leia também

BH deve ampliar funcionamento de postos de saúde a partir de sábado; medida depende de mais médicos
PBH divulga calendário da vacinação de reforço de 10 a 14 de janeiro; veja público-alvo