Feliz da vida por voltar a registrar lucro na América Latina, a Volkswagen anunciou investimentos de R$ 7 bilhões para os próximos cinco anos. A dinheirama será utilizada para desenvolver uma nova família de automóveis com base na plataforma MQB.

Na prática serão quatro modelos compactos, compostos por um hatch, sedã, picape e SUV. Resumindo: os sucessores das atuais gerações de Gol, Voyage e Saveiro, além de um jipinho abaixo do Nivus. 

Provavelmente a marca manterá os nomes dos velhinhos, afinal o Gol é o principal produto da VW em 2021 e segue como soberano no varejo de usados. A previsão é que o modelo estreie em 2024. No entanto, o futuro da atual geração é garantido até o final de 2022. Depois disso é mistério. Ainda sim, melhor sorte que o Voyage que deverá ser descontinuado ainda este ano.

Apesar de a demanda aquecida por SUVs, o setor de entrada ainda é fundamental para marcas grandes volumes como a VW. “A América Latina é um importante mercado para a Volkswagen. Nos últimos dois anos, alcançamos uma boa posição na região por meio de um programa de reestruturação bastante consistente. Estamos agora conduzindo a implementação da nossa estratégia ‘Accelerate’ com um grande programa de investimentos, fortalecendo nossa posição competitiva na região e nos preparando assim para atingir uma lucratividade sustentável’’, afirma o CEO da VW, Ralf Brandstätter.

Futuro próximo

Antes disso, a marca gastará um bocado dessa grana para reestilizar a dupla Polo e Virtus, que deverá seguir os ajustes aplicados na Europa. De novidade mesmo, a VW anunciou o Polo Track, previsto para 2023. 

Com produção na unidade de Taubaté (SP), a versão aventureira do compacto chega a se posicionar num segmento que perdeu lastro e que hoje conta com opções como Argo Trekking, HB20X e (Sandero) Stepway. Ele irá se posicionar abaixo do Nivus.

Picapes

No final de 2021, durante uma live com a imprensa, o presidente da Volkswagen para América Latina, Pablo di Si, adiantou os passos da VW para os próximos anos. Segundo o executivo, a marca daria prioridade no segmento de picapes. E para esse plano de investimentos surgem três produtos: A nova Saveiro, a segunda geração da Amarok e a chegada definitiva da rival da Fiat Toro, a Tarok.

Já divulgado na imprensa argentina, o projeto da picape Tarok foi retomado e deve chegar ao mercado no primeiro trimestre de 2025. Apresentada no Salão do Automóvel de 2018, a rival da Toro, que compartilha plataforma com o Taos, encruou devido a falta de caixa, motivada pela pandemia do Covid-19. Com R$ 7 bi no porquinho, agora não tem mais desculpa. É ou não é?