A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) informou que já está em andamento o processo de revisão das tarifas aplicadas pela Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig).

O processo é obrigatório a cada 5 anos e está previsto no contrato de concessão firmado entre o Estado e a concessionária, sendo considerado fundamental para diminuir a tarifa ao consumidor e melhorar a prestação do serviço.

Segundo a pasta, a nova metodologia vai considerar critérios como o perfil dos clientes, os custos de operação, os investimentos já feitos pela companhia e os aportes futuros. 

O valor das tarifas pode ser alterado de acordo com o plano de investimentos da concessionária, com as mudanças na estrutura de custos e de mercado, a partir da análise dos níveis de tarifas observados em concessionárias similares no Brasil e do estímulo à eficiência e à modicidade tarifária.

“A população e os consumidores são beneficiados porque a revisão tarifária prevê mecanismos que incentivam a Gasmig a reduzir custos e ser mais eficiente na prestação dos seus serviços. Compartilham-se, também, os ganhos de produtividade das empresas, decorrentes de mudanças na escala do negócio de distribuição de gás natural canalizado em Minas Gerais. Vale lembrar que, durante o processo, estão previstas consultas públicas para que a sociedade possa encaminhar sugestões”, afirma o diretor de Energia da Sede, Pedro Oliveira de Sena Batista.

Leia Mais:
Reajuste no gás de cozinha desafia setor de alimentação, que reduz ganho para não perder cliente
Gás de cozinha sofre novo reajuste e pode custar até R$ 125 na Grande BH, aponta pesquisa
Ipea: inflação desacelera para todas as faixas de renda em junho