A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, que apura os gastos da Prefeitura de Belo Horizonte durante a pandemia, começou os trabalhos nesta quinta-feira (27). Os vereadores aprovaram dois requerimentos que tratam da aplicação de recursos do governo federal no enfrentamento da doença e outro sobre a ampliação e destinação de leitos para atendimento de casos de Covid-19 na metrópole. 

Em um dos pedidos, de autoria de Ciro Pereira (PTB), a comissão solicita ao prefeito Alexandre Kalil (PSD) detalhes sobre o valor total destinado à ampliação das vagas para atendimento dos pacientes infectados e o número de leitos exclusivos em cada mês, desde março de 2020.

Também serão questionados os números de leitos de UTI e enfermaria disponíveis no Hospital Metropolitano Odilon Behrens, além do total de recursos privado, federal e municipal aplicados na unidade de Saúde.

O outro requerimento, de autoria de Flávia Borja (Avante), solicitará à CPI Covid, em andamento no Senado, o compartilhamento de informações prestadas pela PBH referentes a ações adotadas e utilização de recursos federais.

Segundo a Câmara Municipal, a prefeitura também será questionada sobre estudos e medidas em andamento, desde março de 2020. Outro ponto levantado no requerimento diz respeito ao valor total de compra de equipamentos médicos pelo município com dispensa de licitação e empresas contratadas.

O plano de trabalho da comissão será aprovado, em reunião extraordinária, na próxima terça-feira (1º).

Em nota, a Prefeitura de Belo Horizonte informou que disponibiliza todas as informações no Portal da Transparência e apresentará os documentos à comissão tão logo for notificada.

Leia Mais:
Cidade do Sul de Minas fecha o comércio, impõe toque de recolher e suspende transporte público
‘UFMG Talks’ desta quinta-feira discute Covid-19 nos esgotos de BH e fita adesiva antiviral
Idosos de 80 a 85 anos recebem a segunda dose da AstraZeneca a partir de sábado em BH