A Honda acaba de apresentar seu primeiro modelo híbrido no mercado brasileiro. O Accord e:HEV combina motor elétrico e a combustão. Trata-se do primeiro modelo de propulsão mista da marca. A Honda ainda afirma que trará outros dois modelos com a motorização até 2023, que serão importados, sem previsão imediata de fabricação local. 

A Honda não revela quais são os modelos, mas há expectativa de que sejam os novos Civic e HR-V, já apresentados lá fora e que contam com motores híbridos. Outra aposta seria no CR-V, que compartilhava o mesmo motor 2.0 turbo da antiga versão do Accord.

Apesar de o carro híbrido não ser novidade no mercado brasileiro, a Honda afirma que sua tecnologia é inovadora, uma vez que o motor elétrico passa ser a principal unidade de tração, enquanto o motor a combustão tem função secundária.

Segundo a Honda, a meta é chegar a dois terços do portfólio eletrificado até 2030. Uma estratégia mais cautelosa do que outras marcas que pretendem chegar a 100% de eletrificação no final da década.

Troca de papel

Na prática, a Honda explica que o motor a gasolina só assume o protagonismo quando há necessidade de demanda. Ou seja, em situações de aceleração elevada ou uso rodoviário. Nesse modo, o unidade elétrica é desabilitada.

Na cidade, ele basicamente atua como gerador de carga para o moto elétrico, que por sua vez, faz a transferência para as rodas. 

Assim, segundo a Honda, seu sistema é mais simples, pois não é o elétrico que auxilia a unidade a combustão, mas o contrário. Dessa forma, a fabricante garante melhor eficiência.

Os motores

O motor a combustão gera 145 cv, mas combinado com dois elétricos (um gerador e outro de tração) chega a entregar 184 cv e 32,1 mkgf de torque. Segundo a Honda o torque do motor elétrico é mais que suficiente para deslocar o carro no trânsito urbano, onde não há grande demanda de torque. Além disso, a frenagem contribui para a recarga das baterias.

E por falar em baterias, a Honda explica que conseguiu reduzir ainda mais o tamanho das pilhas. Isso permitiu acomodá-las debaixo do banco traseiro, junto ao tanque de combustível, que comporta 46 litros.

A marca, no entanto, não revela os números combinados, assim como a autonomia das baterias no módulo elétrico. Segundo a montadora, por questões de estratégia foi definido divulgar apenas o valor combinado. No entanto declara consumo de 17,6 km/l na cidade e 17,1 km/l na estrada.

Visual

O Accord híbrido passou por uma leve reesti-lização com novos faróis, grade e luzes de neblina. De resto, ele mantém sua carroceria que parece um Civic anabolizado.

Por dentro, o sedã manteve o alto padrão de acabamento, com direito a quadro de instrumentos digital, sistema multimídia com conexão sem fio, carregamento sem fio de celular e quatro portas USB. 

O pacote de conteúdos ainda conta com assistente de condução Honda Sensing, com frenagem automática em baixa velocidade, combinado ao ACC e monitor de faixa.

A chegada ao mercado está programada para o início do segundo semestre. O carro ainda não tem preço definido.