O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), usou o Twitter na noite desta quarta-feira (10) para falar sobre a polêmica envolvendo casos suspeitos de “fura-fila” em vacinação dentro da Secretaria de Estado de Saúde (SES).

"Desde as primeiras informações sobre a vacinação de servidores estaduais fora dos grupos prioritários, determinei a imediata abertura de investigação pelos órgãos de controle interno do Estado para apurar possíveis irregularidades", disse Zema. 

Nesta quarta, deputados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) entraram com um requerimento para abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a imunização de pessoas fora do grupo prioritário. O pedido foi feito pelo deputado Ulysses Gomes (PT). O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) também investiga irregularidades.

"Tudo deve ser esclarecido o mais rápido possível para prestação de contas e eventual punição de responsáveis. No mesmo sentido, determinei o envio imediato à Assembleia Legislativa a lista de todos os servidores da Secretaria de Saúde que foram vacinados", explicou o governador.

O secretário Carlos Amaral admitiu que foi vacinado para dar o exemplo e pela atuação no combate à pandemia, que inclui visitas aos hospitais. Na lista constam ainda assessores e outros servidores da pasta. “Quis ser vacinado para não parecer que eu era contra a vacina, ou que acho que a vacina não servia. Nós todos temos que ser vacinados, não concordo com nenhum movimento contra a vacinação”, afirmou o secretário.

Na rede social, Zema defendeu que os atos de governo devem ser pautados pela transparência e correção. "É um princípio da minha gestão do qual não abro mão", finalizou.