O govenador Romeu Zema assinou, nesta terça-feira (29), decreto que prorroga por seis meses o Estado de Calamidade Pública, por causa do crescimento dos casos de contaminação pela Covid-19 em Minas Gerais. Anteriormente, o prazo se encerraria no dia 31 de dezembro.

O texto agora segue para a Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Pelo Twitter, o presidente da Casa, deputado Agostinho Patrus, afirmou que o Legislativo irá dar atenção prioritária à matéria. 

 

Na justificativa em nome da prorrogação, Zema diz que a pandemia interfere não apenas em questões de saúde pública, mas também impacta social e economicamente a população do estado.

Com a prorrogação do estado de calamidade, o Estado poderá continuar destinando mais recursos para a área da saúde.

Somente em dezembro, Minas registrou quase 110 mil novos casos de Covid – desde março, são 529.653 confirmações da doença. Além disso, nos últimos 29 dias, foram registradas 1.564 mortes relacionadas ao novo coronavírus. O total de óbitos desde março é 11.615.

Videoconferência

O decreto foi assinado durante videoconferência, que contou com a participação de parlamentares, secretários e promotores do Ministério Público. Zema destacou alguns investimentos feitos pelo estado recentemente, como a compra de 50 milhões de seringas e mais de 600 câmaras refrigeradas para armazenamento de vacinas.

O estado aguarda os imunizantes prometidos pelo Ministério da Saúde, assim que houver uma aquisição para o programa nacional de vacinação. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já certificou as boas práticas de fabricação da farmacêutica americana Pfizer.