Os produtores que expuseram seus itens no Festival do Queijo Minas Artesanal 2019, realizado neste fim de semana na Serraria Souza Pinto, viram expectativas superadas. Alguns deles registraram aumento de até 300% nas vendas, em relação à edição anterior.

Segundo a gerente técnica da Associação dos Produtores de Queijo Canastra (Aprocan), Valéria Rodrigues, os produtos de alguns acabaram no primeiro dia de evento, sexta-feira (26). Um grupo de produtores foi de madrugada à Canastra buscar mais queijos para atender a demanda”, contou.

As vendas do produtor Ronaldo Pereira da Silva, do Cerrado, triplicaram em relação à 2018. “Fiz contatos com compradores de vários estados. Estou aguardando a obtenção do selo arte para fechar novos negócios e, para atender à demanda, já penso em aumentar o rebanho para elevar a produção”, afirmou.

Realizado pelo Sistema FAEMG e Sebrae Minas, o evento reuniu produtores das sete regiões reconhecidas pelo Estado de Minas Gerais: Araxá, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serra do Salitre, Serro e Triângulo.

No estande do Governo de Minas, foram expostos outros tipos de queijos artesanais produzidos em Minas, também com o leite cru, e que foram contemplados pela nova legislação estadual, que regulamenta a produção e a comercialização do produto (Lei 23.157/2018). São eles: cabacinha, requeijão moreno, Alagoa, os produzidos na região da Serra da Mantiqueira, Vale do Suaçuí, Serra Geral e do Ibitipoca, além dos queijos fabricados a partir do leite cru de outros animais, como cabra, ovelha e búfala.

Leia mais:
Festival em BH, que reúne produtores de queijo de Minas Gerais, começa neste sábado