BRASÍLIA - Uma equipe de arqueólogos da República Tcheca identificou uma tumba de uma princesa faraônica, que pode ser de 4.500 anos A.C. (antes de Cristo). A informação foi confirmada pelo Ministério de Antiguidades do Egito. O governo egípcio analisa a hipótese de abrir o local para visitação pública, mas não fez previsões nem anunciou datas.

Em comunicado, o ministro das Antiguidades, Mohammed Ibrahim, disse que a antecâmara para o túmulo da princesa inclui quatro colunas de pedra calcária com inscrições hieroglíficas.

O representante do ministério, El Bialy, acrescentou que no local das escavações havia o túmulo da princesa Shert Nebti e mais quatro túmulos de funcionários da quinta dinastia, que são de 2.500 anos A.C., no complexo de Abu Sir, perto da pirâmide de degraus de Saqqara.

A indústria de turismo no Egito, que é essencial para a economia do país, sofreu prejuízos em decorrência da instabilidade interna do país, que levou à renúncia do então presidente Hosni Mubarak e provocou mudanças no cenário político local.

* Com informações da agência Lusa/Portugal