O vereador Mazinho da Quadra (PSC) está longe de ter o raciocínio lento, mas a façanha que promete concluir – cruzar Minas Gerais a pé e chegar até a capital federal em busca de recursos para sua cidade, Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de BH – sem dúvida lembra o personagem-título do filme “Forrest Gump”. Também diferentemente do protagonista que ganhou vida na premiada interpretação de Tom Hanks, em 1994, o parlamentar diz ter um objetivo claro: atrair a atenção dos governantes.

Sem correr como Forrest, mas caminhando, Mazinho, de 46 anos, diz ter tomado a decisão de percorrer os cerca de 700 quilômetros por não ver mais saídas para a situação em Neves. “A cidade é muito carente. Até hoje, temos esgoto a céu aberto em vários locais e quase 60% das ruas são de terra”, reclama. Em Brasília, o vereador será recebido pelo vice-presidente da Câmara, o também mineiro Fábio Ramalho (MDB).

Passo a passo

Pelo acostamento da BR-040, Mazinho, dono de uma quadra esportiva em Neves e que chegou a treinar no Cruzeiro quando jovem, vem tentando cumprir a meta de 30 quilômetros por dia desde 10 de janeiro, quando saiu do seu reduto eleitoral. A previsão é que o vereador alcance o Congresso Nacional em 6 de fevereiro, pouco menos de um mês após a partida. Gump, levado por outros motivos, correu três anos e dois meses.

A desilusão política de Mazinho, que está no primeiro mandato, também o deixa desorientado. “A pessoa que votou em você chega com aquela esperança: ‘agora minha rua vai ser arrumada’. Aí você chega lá dentro e vê que não é dessa forma. Bate um desespero, você perde o sono à noite pensando: ‘o que vou fazer para ajudar esse povo?’”, diz o andarilho.

Mesmo dono de quadra e ex-pretendente a craque, o vereador confessa que não é exatamente um “atleta”. “Tomo remédio para dor desde o segundo dia de caminhada”, conta ele, que chegou a ter lesão no tornozelo perto da cidade de Felixlândia.

O médico recomendou que ele parasse por uma semana. “Mas como que para? Descansei mais um dia, tomei antibiótico e voltei à ativa”. No entanto, os 350 quilômetros até João Pinheiro, cidade na qual Mazinho chegou ontem, já dão resultado: “Percebi que emagreci e até parei de tomar remédio para pressão alta”, afirma.

Comitiva

O vereador não está sozinho. Junto dele estão esposa, dois filhos, um tio e mais quatro assessores que, nas palavras do vereador – o único a caminhar todo o trajeto – “foram de livre e espontânea vontade”.

Com apoio, o vereador alugou um pequeno ônibus e um carro. No pagamento das despesas, garante, não tem um centavo de diária parlamentar. “Os postos de gasolina onde a gente para o ônibus emprestam energia elétrica e água pra tomar banho. São raríssimos os que cobram. O povo brasileiro em geral é muito bom”, elogia.