A Câmara Municipal de Belo Horizonte aprovou em primeiro turno, na tarde desta segunda-feira (5), o projeto da reforma administrativa da capital. Foram 40 votos a favor e nenhum contrário.

O projeto é uma das prioridades da gestão do prefeito Alexandre Kalil (PHS) e sua tramitação tem sido marcada por polêmicas desde o início do ano.

O texto prevê, dentre outros pontos, o fim do caráter de secretarias das regionais, a redução no número de cargos de confiança, simplifica a denominação de cargos existentes na administração e dá autonomia ao prefeito para a criação de subsecretarias por decreto.

Mais de 200 emendas foram apresentadas ao projeto pelos vereadores, além de outras 88 que foram absorvidas num substitutivo, articulado pelo líder de governo Leo Burguês (PSL). Esse substitutivo ainda será analisado pelas comissões da Casa para, só então, a versão final da reforma ser votada no segundo turno.

A expectativa, no entanto, é que a aprovação final da reforma se dê ainda neste mês, ainda que seja necessária a realização de sessões extraordinárias.