Após prestar depoimento por seis horas na Polícia Federal (PF) nesta sexta-feira (4) o ex-presidente Lula falou por 30 minutos aos militantes e à imprensa no diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) em São Paulo.

"Posso dizer que delegados muito gentis foram a minha casa, eu não sei se são sempre assim, mas eu me senti prisioneiro hoje de manhã. Eu não sei porque isso foi feito dessa forma (sob condução coercitiva) porque nunca me recusei a prestar depoimento. Além disso, eles não explicaram porque foram atrás dos seus filhos, além do simples fato de serem meus filhos".

"Eles mereciam respeito"

Emocionado, o ex-presidente pediu desculpas à mulher, Marisa Letícia, e aos filhos pelos transtornos provocados. "Ela merecia respeito, eles mereciam, mas agora eu queria falar ao povo brasileiro que hoje, nesse país, ser amigo do Lula é uma coisa perigosa".

Segundo Lula, durante todo o depoimento a Polícia Federal não apresentou nenhuma nova questão, além do que já foi divulgado pela imprensa - como os polêmicos pedalinhos, o apartamento triplex em Guarujá e o sítio em Atibaia.

“Uso a chácara de um amigo porque os inimigos não me oferecem. Protestaram contra os pedalinhos que a Marisa comprou por R$ 2 mil para os netos e até um barco velho que custou R$ 4 mil. Se eu pudesse eu comprava um iate pra ela”.

Luta de classes

"Claramente há um processo sendo feito para criminalizar o PT e isso acontece porque há um complexo de uma elite viralata e conservadora que não quer permitir que o pobre cresça. Quando nós começamos a ter acesso ao básico isso incomodou muita gente porque todo mundo pode subir menos essa m**** de metalúrgico", disse exaltado.

O ex-presidente reiterou que acreditava que tinha deixado a presidência consagrada ao, não apenas se reeleger, como fazer de Dilma Rousseff sua sucessora por duas vezes.

"Mas andam dizendo por aí que ao mudar de ministro, ela está tentando tirar a autonomia da Polícia Federal. Pois eu digo uma coisa: se tem alguém nesse país que está sendo cerceada é a presidenta da República. Eles estão cerceando a liberdade dessa mulher de governar esse país".

"Eu sei o que fiz pelo país"

Lula completou o discurso afirmando que o cidadão que fez denúncia contra ele não tem autoridade para julgá-lo. "Eu me transformei no conferencista mais caro do mundo junto com o Bill Clinton (ex-presidente dos EUA) e eu não tenho complexo de vira-lata. Eu sei o que fiz pelo país".

Ao fim do discurso, Lula disse que está pronto para pegar a estrada e discursar pelo Brasil. "Quero que vocês saibam que se tentaram matar a jararaca, não bateram na cabeça, bateram no rabo. Quero dizer que a jararaca está viva como sempre esteve", encerrou, ovacionado pelos militantes, o ex-presidente.

Assista ao discurso na íntegra:

 

 
Coletiva de Lula em São Paulo

"Não vou baixar a cabeça; o que eles conseguiram é que a partir da semana que vem me convidem, eu vou a viajar pelo país."Assista à íntegra da entrevista de Lula sobre a Operação Lava Jato hoje (4), em São Paulo, transmitida pela Rede TVT.

Publicado por Lula em Sexta, 4 de março de 2016