SindipúblicosOs serviços públicos estaduais devem ficar comprometidos em Minas Gerais na última quarta-feira do mês, no dia 27. Essa foi a data definida pelo funcionalismo em reunião realizada nessa segunda (11) entre líderes de ao menos dez sindicatos na sede do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais (Sindipúblicos).

A expectativa dos representantes é a de que ao menos metade dos 300 mil servidores estaduais não trabalhem. “Vamos marchar para cima do governo com a paralisação do funcionalismo. Até porque a questão atinge a todos os servidores do Poder Executivo, estamos na expectativa de atraso e escalonamento de salários, algo que não aceitamos de forma alguma”, afirmou o diretor do Sindipúblicos, Geraldo Henrique da Conceição.

A promessa dos servidores é paralisar os serviços por 24h. No entanto, não está descartada a possibilidade da greve se estender por outros dias. “Durante o ato do dia 27 também faremos uma assembleia na qual decidiremos por uma greve por tempo indeterminado ou não”, explicou o coordenador intrassindical e diretor da Associação Sindical dos Trabalhadores em Hospitais do Estado de Minas (Asthemg), Carlos Martins.

A paralisação é uma reação ao anúncio do governo de que os salários dos três primeiros meses deste ano serão atrasados. Por nota, o governo informou “que, ainda esta semana, apresenta aos sindicatos e associações, representantes do funcionalismo público estadual, um cronograma com as datas do pagamento dos funcionários públicos, nos próximos meses”.

A administração afirmou ainda ter herdado “um déficit de cerca de R$ 10 bilhões da administração anterior”, mas garantiu que o salário do servidor público é prioridade.

Proposta

Além da insatisfação quanto ao atraso salarial, o Sindipúblicos luta por uma mudança nos prazos. “Não é mais possível um prazo de pagamento de tributos tão dilatado igual ao mantido até hoje. Esse prazo vem da década de 70 quando a apuração dos tributos era feita quase manual. Hoje o contribuinte já sabe quanto tem que pagar no dia primeiro”, diz o presidente do sindicato dos servidores da tributação de Minas, Unadir Gonçalves.