Duas pessoas foram detidas, na Catalunha e nas Ilhas Canárias, acusadas de fazer parte do grupo extremista Estado Islâmico e de recrutar e doutrinar milicianos extremistas, anunciou nesta terça-feira o Ministério do Interior da Espanha.

Os detidos, um homem e uma mulher, ambos de nacionalidade marroquina, trabalhavam dentro de uma rede "altamente profissionalizada", disse o ministro do Interior, Jorge Fernández Díaz. A dupla estaria, segundo o ministro, transmitindo "uma imagem idealizada de sua luta" para recrutar jovens espanhóis e treiná-los no uso de armas e explosivos, segundo comunicado oficial.

Os suspeitos, detidos nesta terça-feira em Mataró, no nordeste da Espanha, e na ilha canária de Fuerteventura, estavam "em contato permanente com outros membros localizados na Síria" e haviam feito público um juramento de lealdade ao grupo EI e a seus líder, Abu Bakr al-Baghadi. Fonte: Associated Press.