O laboratório São Marcos trouxe da Europa uma tecnologia capaz de aumentar em até 300% a capacidade de produção do setor técnico. Ou seja, de alavancar em até três vezes a produção dos exames. O laboratório investiu R$ 20 milhões para importar uma plataforma que processa até 3,6 mil amostras de material por hora por meio de uma esteira de aproximadamente 40 metros de comprimento, que leva o material colhido aos equipamentos de teste.

Inicialmente, serão realizados entre 750 e 800 mil exames por mês nos equipamentos. No futuro, no entanto, a capacidade, poderá chegar a 2,2 milhões de testes mensais. São oito máquinas de teste ligadas à esteira, que está instalada na unidade do bairro Padre Eustáquio. Mas é possível acoplar até 20 equipamentos.

A tecnologia, segundo a médica e diretora técnica do laboratório, Adriana Macedo, é pioneira em Minas Gerais e a terceira a ser implantada na América Latina. “Fomos a Madri, Bélgica, Estados Unidos e outros países até encontrar o equipamento que fosse capaz de entregar o que estávamos procurando”, afirma.

De acordo com ela, o equipamento reduz expressivamente o número de toques no tubo que carrega o material a ser analisado. “Agora é necessário tocar no tubo apenas na hora de colher o material e quando ele é inserido no equipamento. O resto, a máquina faz sozinha”, diz.

Como reflexo, ela afirma que o Laboratório São Marcos garante mais confiabilidade e credibilidade ao cliente. A rapidez no processamento dos resultados também é enfatizada. Adriana ressalta que cada exame tem um tempo de análise. Alguns, chegam a ficar prontos em oito segundos.

Porém, a logística e a interpretação do resultado pesam no tempo de entrega. “Se o resultado der muita diferença dos exames anteriores, o analista poderá entrar em contato com o médico, com o paciente ou até mesmo refazer o teste. Mas é inegável que a velocidade é bem superior”, diz.