A agência australiana que comanda as buscas pelo voo MH370, da Malaysia Airlines, afirmou que um pedaço de destroços de um avião que apareceu na costa de um ilha perto de Madagáscar nesta quarta-feira (28) poderia ter sido levado por centenas de quilômetros do local aonde provavelmente ocorreu a queda do avião, de acordo com sua análise.

Martin Dolan, chefe do Departamento de Segurança de Transporte da Austrália afirmou que investigadores franceses irão inicialmente examinar a peça, com a ajuda da Austrália, Malásia e de fabricantes, incluindo a empresa Boeing.

O voo MH370, um Boeing 777, desapareceu em 8 de março do ano passado, com 239 pessoas à bordo. Times de busca e resgate não foram capazes de encontrar o paradeiro do avião em uma área no sul do Oceano Índico, na costa oeste da Austrália, aonde acredita-se que a aeronave caiu.

"Nós fizemos vários testes para ver para que lado os destroços do avião iriam. Não é uma ciência precisa, mas certamente isto não é inconsistente com o modelo que criamos", disse Dolan. Fonte: Dow Jones Newswires.