Em meio à queda na arrecadação e a baixa atividade econômica, o governo de Minas Gerais irá elaborar uma proposta para conter a migração de empresas da Zona da Mata para o Estado vizinho, o Rio de Janeiro. A ideia é entregar em três meses um estudo sobre benefícios tributários para incentivar o desenvolvimento econômico da região.
 
O anúncio foi feito nesta sexta-feira (10) de manhã pelo governador Fernando Pimentel, em cerimônia no Palácio da Liberdade. O levantamento deverá analisar benefícios tributários para a Zona da Mata, formada por 93 municípios.
 
Com a iniciativa, o governo pretende aumentar a competitividade e evitar a saída de empresas para outros estados, especialmente para o Rio de Janeiro, onde os tributos são baixos.
 
De acordo com o governo do Estado, centenas de empresas deixaram a Zona da Mata para se instalarem no estado litorâneo, nos últimos anos, em função de incentivos fiscais.
 
Difícil concorrência
 
O decreto 216, de 10 de julho de 2015, institui o grupo de trabalho que fará o estudo. Será composto por representantes de nove órgãos do Poder Executivo estadual, além de indicados das universidades federais de Juiz de Fora (UFJF) e Viçosa (UFV), de entidades de classe e de órgãos das administrações públicas federal, estadual e municipais, como convidados.
 
“As indústrias e empresas da Zona da Mata dizem que o Rio está concedendo muito incentivo tributário e que não está sendo possível concorrer. Nossa ideia é analisar efetivamente o que o Rio de Janeiro concede para que possamos igualar os benefícios. O grupo foi criado para que a Zona da Mata possa ser competitiva”, explicou o secretário de Estado da Fazenda, José Afonso Bicalho.
 
OLHO: “O tempo, uma vez perdido, não retorna nunca mais. Nós não podemos perder mais tempo. Mesmo com a situação financeira do Estado difícil, temos de sair disso. Adiar é pior” Fernando Pimentel (PT) - governador de Minas